Mostrando postagens com marcador Economia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Economia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 6 de março de 2014

Meio ambiente: workshop debaterá gases de efeito estufa e mudanças climáticas

O CDP, organização internacional que atua em cidades, investidores e empresas de todo o mundo para prevenir as mudanças climáticas e proteger os recursos naturais, em conjunto com a Prefeitura de São Paulo e o CB27 (Grupo dos Secretários de Meio Ambiente das Capitais), está organizando o workshop Mudanças Climáticas, Desafios e Oportunidades.

O evento, que ocorrerá na próxima segunda (11/3/2014), na capital paulista, tem o objetivo de aprimorar os conhecimentos dos gestores públicos na área de inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE), riscos, oportunidades e adaptação às mudanças climáticas, ressaltando também a importância da colaboração entre o setor público e privado.

Com isso, o CDP pretende ampliar o número de cidades participantes em seu programa CDP Cities 2014, convidando todas as cidades do grupo CB27 a divulgar dados de emissões de GEE, análise de riscos das alterações climáticas, oportunidades e planos de adaptação através da plataforma de reporte do CDP.

O workshop contará com rodadas de diálogo e discussões. O programa CDP Cities está em sua quarta edição e no ano passado recebeu respostas de 11 cidades do país.

Inscrições podem ser feitas via elbagoncalo@gmail.com. O encontro ocorrerá das 8h30 às 19h30, na Umapaz, na av. IV Centenário, 1.268, Portão 7A do Parque do Ibirapuera, São Paulo.



Economia: os 85 mais ricos do mundo têm o mesmo patrimônio de metade da população

Segundo o documento chamado Working for the Few (Trabalhando Para Poucos, em tradução livre), as 85 pessoas mais ricas do mundo têm um patrimônio de US$ 1,7 trilhão, o que equivale ao patrimônio de 3,5 bilhões de pessoas, as mais pobres do mundo.

Favela do complexo de Lins e estádio olímpico João Havelange ao fundo, no Rio de Janeiro (Reuters)

O relatório ainda afirma que a riqueza do 1% das pessoas mais ricas do mundo equivale a um total de US$ 110 trilhões, 65 vezes a riqueza total da metade mais pobre da população mundial.

A Oxfam observou em seu relatório que, nos últimos 25 anos, a riqueza ficou cada vez mais concentrada nas mãos de poucos.

"Este fenômeno global levou a uma situação na qual 1% das famílias do mundo são donas de quase metade (46%) da riqueza do mundo", afirmou o documento.

"No último ano, 210 pessoas se tornaram bilionárias, juntando-se a um seleto grupo de 1.426 indivíduos com um valor líquido combinado de US$ 5,4 trilhões", destaca o relatório.

"É chocante que no século 21 metade da população do mundo – 3,5 bilhões de pessoas – não tenham mais do que a minúscula elite cujos números podem caber confortavelmente em um ônibus de dois andares", afirmou Winnie Byanyima, diretora-executiva da Oxfam.

Para Byanyima, "em países desenvolvidos e em desenvolvimento estão cada vez mais vivendo em um mundo em que as taxas de juros mais baixas, a melhor saúde e Educação e a oportunidade de influenciar estão sendo dadas não apenas para os ricos mas para os filhos deles também".

"Sem um esforço concentrado para enfrentar a desigualdade, a cascata de privilégios e de desvantagens vai continuar pelas gerações. Em breve vamos viver em um mundo onde a igualdade de oportunidades é apenas um sonho", acrescentou.

Publicado dias antes do Fórum Econômico Mundial em Davos (22 a 25/1/2014), o relatório detalha o impacto da crescente desigualdade em países desenvolvidos e outros em desenvolvimento.

América Latina e Brasil
O relatório da Oxfam apontou que alguns países, especialmente na América Latina, estão conseguindo ir contra esta tendência, diminuindo a desigualdade na última década.

"Entre os países do G20, as economias emergentes geralmente eram aquelas com maiores níveis de desigualdade (incluindo África do Sul, Brasil, México, Rússia, Argentina, China e Turquia) enquanto que os países desenvolvidos tendiam a ter níveis menores de desigualdade (França, Alemanha, Canadá, Itália e Austrália)", afirmou o documento.

"Mas até isto está mudando, e agora todos os países de alta renda do G20 (exceto a Coreia do Sul) estão vivendo o crescimento da desigualdade, enquanto o Brasil, México e Argentina estão vendo um declínio nos níveis de desigualdade."

A Oxfam destaca o caso brasileiro, apontando que o país teve "sucesso significativo na redução da desigualdade desde o início do novo século".

"Em parte devido ao crescente gasto público social, uma ênfase no gasto com saúde pública e Educação, um programa de transferência de renda de larga escala que impõe condições para o recebimento (Bolsa Família) e um aumento no salário mínimo que subiu mais de 50% em termos reais desde 2003", afirmou o relatório.

A Oxfam alerta que a "democracia ainda é frágil e a desigualdade ainda é muito alta na região, mas a tendência mostra que problemas que eram insolúveis, as enormes disparidades de renda, podem na verdade ser enfrentados com intervenções políticas".

Leis e paraísos fiscais
A Oxfam também fez uma pesquisa em seis países (Brasil, Espanha, Índia, África do Sul, Grã-Bretanha e Estados Unidos) e mostrou que a maioria dos entrevistados acredita que as leis são distorcidas para favorecer os ricos.

Entre os países pesquisados, a Oxfam destaca a Espanha, onde oito em cada dez pessoas concorda com essa afirmação sobre as leis.

A ONG também destaca outro grande problema relacionado ao dinheiro que não paga impostos, ficando em paraísos fiscais.

"Globalmente, os indivíduos e companhias mais ricos escondem trilhões de dólares dos impostos em uma rede de paraísos fiscais no mundo todo - estima-se que US$ 21 trilhões estão escondidos sem registros", informou a ONG em seu relatório.

Segundo a ONG, que vai enviar representantes a Davos, os participantes do Fórum Econômico Mundial têm o poder de reverter o aumento da desigualdade.

A Oxfam pede que os participantes do fórum se comprometam a não sonegar impostos em seus países ou em países onde têm investimento, não usar a riqueza econômica para conseguir favores políticos que prejudiquem a democracia, apoiar os impostos progressivos sobre patrimônio e renda, enfrentar o sigilo financeiro e sonegação de impostos entre outras recomendações.

Além disso, a ONG também recomenda o estabelecimento de uma meta global para acabar com a desigualdade econômica extrema em todos os países, uma regulamentação maior dos mercados para promover crescimento sustentável e igualitário e a diminuição dos poderes dos ricos de influenciar os processos políticos.

Publicado originalmente na BBC Brasilem 20/1/2014



sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Emprego x pobreza: 870 milhões de trabalhadores vivem com US$ 2 por dia

(Foto OIT/Kemal Jufri)
No Dia dos Direitos Humanos, em 10/12/2013, agências das Nações Unidas fizeram um apelo, entre outros, pelo fim da exclusão social.

O diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, OIT, Guy Ryder, lembrou que a Declaração de Viena, que completa 20 anos, pede o fim da pobreza extrema e coloca a justiça social no centro dos compromissos pelos direitos humanos.

Mas duas décadas depois, o mundo ainda tem 870 milhões de trabalhadores e suas famílias sobrevivendo, cada um, com US$ 2 por dia. Ryder destacou que deste total, 400 milhões vivem na pobreza extrema.

O chefe da OIT lamentou ainda que 20,9 milhões de pessoas estejam no trabalho forçado e que 168 milhões de crianças sejam obrigadas a trabalhar. Ryder explicou que a promoção do trabalho decente é reconhecida como um direito humano e precisa continuar sendo uma das prioridades globais.

Emprego e recuperação econômica
É provável que a persistente fraqueza da recuperação econômica aumente ainda mais a pressão sobre a situação mundial do emprego, advertiu o Diretor Geral da OIT, Guy Ryder.

Em discurso perante o Conselho de Administração da OIT, Ryder referiu-se aos dados publicados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em outubro, que revisou para baixo os números relativos ao crescimento mundial, de 3,2% previstos para 2013 para 2,9%, a taxa mais baixa desde 2010. As estimativas para 2014 também foram rebaixadas de 3,8% para 3,6%.

“Esta revisão das projeções reflete as dificuldades enfrentadas pelos principais componentes das economias avançadas, emergentes e em desenvolvimento. Além disso, reflete a difícil situação enfrentada pelas empresas e pelos trabalhadores na economia real”, acrescentou.

Ryder mencionou os níveis sem precedentes de desemprego, a estagnação dos salários em muitos países, um investimento privado abaixo dos níveis anteriores à crise e um setor público sob pressão para reduzir os gastos. “Estas tendências agravarão ainda mais a situação mundial do emprego”, assinalou.

A previsão é de que o desemprego juvenil, disse Ryder, permaneça alto em muitas regiões e que o trabalho informal continue aumentando, contribuindo para o aumento das desigualdades em muitos países.

Vários países adotaram uma estratégia de estímulo às exportações para compensar a fraqueza do consumo e dos investimentos internos, mas isto, assinalou o diretor geral da OIT, somente pode funcionar com um crescimento sustentado. “Necessitamos que a demanda cresça e também toda a economia, não de uma competição entre mercados cada vez menores”, disse.

No entanto, Ryder assinalou alguns progressos. Diversos países emergentes ou em desenvolvimento demonstraram maior resistência em relação a crises anteriores. Alguns dos países europeus que foram mais afetados pela crise econômica podem começar a crescer novamente, acrescentou. “Mas, fundamentalmente, existe uma compreensão crescente no mundo sobre a importância de conceder maior prioridade às estratégias centradas no emprego”, indicou.

A discussão sobre a economia mundial e a situação do emprego foi realizada durante recente reunião do Conselho de Administração da OIT. Os delegados discutiram a contribuição que as políticas sociais e de emprego podem dar à recuperação econômica e ao crescimento sustentável.

Fonte OIT, com informações da Rádio ONU


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Inovação: para inovar é necessário aprender com o erro, diz economista chinesa

"Aceitar o fracasso é um dos primeiros passos para quem deseja ter sucesso na hora de inovar. A diferença entre o vencedor e o perdedor é que o vencedor não desistiu".

Esta foi uma das mensagens deixadas pela economista chinesa Ann Lee em sua participação no recente 1º Fórum de Inovação do Sistema Fiergs, em Novo Hamburgo.


Ann Lee é autora do livro O que os Estados Unidos têm a aprender com a China (Foto Sistema Fiergs)

Ela citou o exemplo de alguns bancos que têm como um dos pré-requisitos para a concessão de empréstimos a empreendedores é que eles já tenham falhado. "Faz parte desse processo", afirmou.

Para a economista, a riqueza de uma nação não pode ser medida apenas pelo PIB, pois esse valor não leva em consideração questões como lucro, distribuição de renda, níveis de felicidade e de Educação. Ressaltou que inovar é uma questão de sobrevivência no mercado atual e lembrou que a América Latina, especialmente o Brasil, tem alto potencial para inovar, com sua população numerosa e elevado índice de biodiversidade.

Ann informou ainda que a China está abrindo as portas para que pessoas de outros países se instalem em seu território, com o objetivo de estimular a troca de conhecimentos e ideias diferentes. Em 2012, pela primeira vez, o país asiático ultrapassou os Estados Unidos em número de imigrantes.

"A China está recrutando ativamente estrangeiros para seus centros de inovação e universidades. Professores qualificados são estimulados a trabalhar por lá, com salários elevados, por exemplo, algo que não acontece na América Latina", lamentou.

A burocracia foi apontada por ela como um dos grandes vilões contra a inovação. "A maioria das normas limitam a concorrência e bloqueiam o processo criativo", avaliou Ann, ao citar o caso do início da internet nos Estados Unidos, que gerou uma onda gigante de inovação e crescimento, entre outros fatores, por conta da falta de leis que a regulamentassem.

O presidente do Sistema Fiergs, Heitor José Müller, destacou no Fórum que as empresas precisam se preparar diante desse novo mundo. "Não buscamos mão de obra, mas sim cérebros criativos e construtivos". Segundo o industrial, o processo de globalização, acelerado pela tecnologia da informação, foi tão significativo que hoje o Sistema Fiergs já trabalha com o conceito de "economia planetária".

"Nesse contexto, tal como a órbita dos planetas, as nações têm laços tão fortes que se tornam dependentes entre si. Por isto, o tema deste Fórum é Inovação e a Interdependência na Economia. E o equilíbrio entre os países passa a ser a palavra de ordem mundial. A inovação está em todos os lugares, sem limites físicos ou de territórios, pois as fronteiras são digitais", salientou Müller, destacando que o desafio agora é saber como inovar nesse ambiente coletivo, respeitando e entendendo as assimetrias, a diversidade cultural, e ao mesmo tempo promovendo a integração econômica entre os países e os blocos regionais.

Os artistas e a inovação
Na palestra Conexões Improváveis gerando Inovação, o espanhol Roberto Gomes de La Iglesia defendeu a participação de artistas nas empresas como forma de gerar inovação. "Os artistas são criativos e catalisadores de criatividade entre os colegas".

Iglesias explicou que o contexto atual ainda é confuso e ninguém sabe para onde vai e que o momento é de mudanças. "Primeiro era preciso independência, competitividade e competência para inovar", destacou. Conforme ele, este cenário mudou com a cooperação e mais ainda com a multidisciplinariedade. "Temos que ser competentes competidores e cooperativos, sem barreiras entre setores como economia e arte", assegurou. "Aí estão grandes oportunidades de inovação".

Fonte Sistema Fiergs


sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Economia: novo presidente do Ipea diz que qualidade da Educação é o maior desafio para a política pública

O economista Marcelo Neri (foto), empossado em 12/9/2012, em Brasília, como presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), quer aumentar a participação do órgão como formulador e assessor dos ministérios para concepção e monitoramento de políticas públicas, especialmente na área da Educação. “Essa é a política pública que mais gera efeito sobre as outras”.

Segundo Neri, a preocupação é fazer os “dois brasis” avançarem: o país que ainda tem um grande passivo (grande número de analfabetos, pessoas com baixa escolaridade e má qualidade do ensino); e o país que, para crescer, precisa de força de trabalho qualificada. “O Brasil velho e Brasil do futuro têm que andar juntos”.

O economista diz que o gargalo de profissionais capacitados ocorre em todos os setores, inclusive entre os segmentos menos qualificados (empregadas domésticas, operários da construção civil e trabalhadores da agricultura) – o que já pode ser sinal da elevação do padrão de vida e aspirações das camadas mais baixas na distribuição de renda. “É um bom apagão no sentido de que o Brasil vai ter que mudar suas tecnologias”.

Neri, que admite “não ter nascido no Ipea, mas ter sido criado no instituto”, avalia que o órgão tem “massa crítica” e “uma tradição impressionante” para reflexão sobre os problemas socioeconômicos e pretende orientar o Ipea para que ajude o país a “avançar mais na vertical”.

Segundo Neri, continua ocorrendo um movimento de ascensão social verificado nos últimos anos, mas que ainda não foi bem captado pela pesquisa social. “Há mais coisas acontecendo no Brasil do que os nossos olhos conseguiram enxergar até agora”, disse, após citar os impactos do Programa Brasil Carinhoso, da queda da mortalidade, o crescimento da renda dos analfabetos e a elevação do padrão de vida dos 20% mais pobres de forma mais acelerada do que ocorre na China, na Rússia e na Índia (os países que, com o Brasil, formam o Bric, bloco das economias emergentes).

O estudo desses fenômenos podem gerar surpresas entre os pesquisadores do Ipea. “Do ponto de vista do pesquisador, o Brasil é um país que oferece todas as surpresas. A gente acha aquilo que não esperava achar. Para o pesquisador, o grande momento não é quando você confirma o que esperava achar, mas quando descobre algo que não sabia”.

Fonte Agência Brasil


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visualizações