Mostrando postagens com marcador inovação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador inovação. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Educação: o paradoxo do tempo perdido

Em palestra para gestores educacionais, criador do movimento Uncollege conta por que abandonou a escola para viver outras experiências e ensinar pessoas do mundo todo a fazer o mesmo

Por Cinthia Rodrigues, para a Carta na Escola

Um jovem de 22 anos vestido com camiseta e meias vermelhas sob um blazer social foi a principal estrela do Fórum de Lideranças Desafios da Educação, realizado pela Blackboard e pelo Grupo A Educação em (6/8/2014), em São Paulo. A diferença de idade entre o palestrante e a veterana audiência só contrastava menos do que o propósito entre os dois: Dale Stephens estava no Instituto Insper para contar a 200 gestores de instituições privadas de ensino superior como deixou a escola e, mais tarde, a faculdade para viver de incentivar pessoas do mundo inteiro a fazer o mesmo.


Há 10 anos o norte-americano do Arkansas abandonou a 6ª série depois de um recesso de meio de ano para nunca mais voltar à escola básica. A reação dos pais, lembra, foi a esperada, se revoltaram, se frustraram, choraram. Por fim, foram convencidos: “Eu não tomei esta decisão por preguiça, mas para não perder mais tempo. Queria aprender coisas que fossem interessantes, não conteúdos que alguém disse que seriam úteis, e que 99% das pessoas esquecem em seguida”, contou.

Com uma foto de cada experiência, Stephens listou o que fez da vida nos seis anos seguintes. Aprendeu a tocar instrumentos musicais, trabalhar com ferramentas, montou projetos para encontrar soluções para situações do cotidiano e grupos de estudo de temas diversos na biblioteca. “Até trabalhei em uma instituição que, ironicamente, ajudava pessoas a entrar no ensino superior”, afirmou em sua performance, arrancando gargalhadas do público.

Neste último emprego, o adolescente foi questionado pelo chefe sobre por que não fazia faculdade. Em mais slides, com elaborados gráficos estatísticos, Stephens apresentou suas ponderações. Entre elas, estava o fato de a graduação custar cerca de 29 mil dólares nos EUA e que, em 2012, 53% dos norte-americanos formados em cursos superiores não haviam encontrado colocação no mercado. “Ninguém discorda de que é preciso educar a população, mas acho que países como os Estados Unidos precisam pensar quanto da população precisa ter determinada Educação e a que custo.”

A plateia sentiu que marcou um ponto no tópico seguinte. “Cervejas e garotas”, estava escrito no próximo quadro. “Ok, se o conteúdo não é significativo para a maioria dos jovens e o diploma não garante emprego, que pelo menos o percurso seja divertido, certo?”, perguntou, recebendo apoio em forma de acenos e risos. Segundo Stephens, este foi um dos principais pontos que o incentivou a entrar em uma universidade. Acabou se submetendo a um processo seletivo e entrou no Hendrix College, mas achou improdutivo. “No final das contas, eu gostava mais de champanhe e garotos.”

Aos 19 anos, Dale, já reconhecido como um inovador em Educação nos EUA, fundou o Uncollege, organização que incentiva pessoas a estudar por conta e até mesmo dá aulas de como fazê-lo. Em 2012, lançou o livro Hack Your Education com sua experiência que foi motivo de reportagem em revistas e televisões de todo país. O programa tem matriculados e, ironicamente, cursos presenciais pagos. No ano passado, a Forbes o reconheceu como uma das 30 pessoas mais influentes do mundo com idade abaixo dos 30 anos. Seu projeto para 2014 é formar a primeira turma no exterior. Destino escolhido: Ilhabela, São Paulo, Brasil.

Ao público que se dedica a fazer justamente o contrário, ou seja, levar mais jovens ao ensino superior, Dale afirmou que não acha que todos devem abandonar os estudos, mas também não acredita que todos precisam fazer cursos tradicionais. “A Educação precisa passar por mudanças, e não vou conseguir isso sozinho. O sistema precisa mudar, por isso quero compartilhar com vocês algumas premissas às quais chegamos e que, na verdade, são bastante conhecidas, mas pouco praticadas”, disse.

As dicas do jovem empreendedor foram que o aprendizado requer:
  • participação ativa, em que as pessoas não apenas ouçam, mas façam, toquem, sintam, vejam, viajem etc.
  • contexto pessoal – o envolvimento ocorre quando o conteúdo tem sentido e utilidade concreta na vida do estudante.
  • paradas para descanso – pesquisas mostram que uma parada de alguns minutos faz o cérebro absorver o dobro de informação na sequência.
  • mentalidade de crescimento – pessoas com projetos em que os estudos a farão ser um ser humano mais valioso aprendem mais.

Parece que Bill Gates, Steve Jobs, Mark Zuckerberg e outros famosos autodidatas que preferiram a própria metodologia à academia abriram portas para jovens que tomam as rédeas da própria educação.

Saiba mais: http://www.uncollege.org/


Logística: pesquisa aplicada é destaque na expertise de instituto de inovação na Bahia

Recém-inaugurado, o Instituto Senai de Inovação (ISI) em Logística, na Bahia, foi destaque no recente Fórum Nordeste Logística, promoção da ADVB-BA.

Instalado no Senai Cimatec, em Piatã, o ISI tem capacidade para atender à indústria com serviços, capacitação de pessoal e pesquisa aplicada, serviços apresentados na última quinta (21/8), pelo consultor do Núcleo Estratégico do Senai-BA, Leonardo Sanches.

Cimatec também sedia os ISIs de Automação e Conformação Mecânica e o de União de Materiais
(foto Divulgação)

Com área de aproximadamente 2 mil metros quadrados, o novo ISI atende prioritariamente os segmentos estratégicos de óleo & gás, mobilidade, energia, eletroeletrônicos, mineração, metalmecânico, alimentos e comunicações, com competências em áreas como cadeia de suprimentos; planejamento de redes; modelagem e simulação de sistemas produtivos e logísticos complexos; lean manufacturin; logística verde; sistemas integrados de gestão; estudo de gargalos produtivos; e simulação de equipamentos móveis industriais.

De acordo com Sanches, o núcleo tecnológico está desenvolvendo quatro projetos no âmbito da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), um deles visa automatizar todas as operações de um porto. “Como trabalhamos com todos os softwares de simulação computacional e uma equipe especializada, podemos oferecer diversos tipos de soluções em logística”, disse.

O consultor do NES do Senai-BA também falou sobre a estreita relação entre logística e mobilidade urbana, mais uma vez destacando a importância de estudos e simulações computacionais como ferramentas fundamentais de planejamento. “Com os problemas de trânsito que as grandes cidades enfrentam hoje, não se pode mais trabalhar com tentativa e erro”.

Com 12 anos de funcionamento, a Área Tecnológica de Gestão & Logística do Senai-BA ainda oferece três cursos de graduação tecnológica: Logística, Gestão da Produção Industrial e Processos Gerenciais, além do MBA Executivo em Logística e Gestão da Produção.

domingo, 29 de junho de 2014

Inovação e meio ambiente: projeto reaproveita caixas de leite e promove a cidadania

Alunos do Senai de Tubarão, Santa Catarina, dão exemplo de como aprender com responsabilidade e cidadania.

video



quinta-feira, 26 de junho de 2014

Dois economistas divergem sobre o futuro da inovação e do crescimento

Robert Gordon (dir.) e Joel Mokyr: briga entre um pessimista e um otimista
(Foto Rob Hart/The Wall Street Journal)

Robert Gordon, um economista de 73 anos, acredita que os bons tempos já passaram. Depois de um século de inovações revolucionárias que geraram crescimento, o progresso humano está ficando cada vez mais lento, diz.

Já o também economista Joel Mokyr, que tem 67 anos, imagina o surgimento de uma nova era de invenções, inclusive terapias genéticas para prolongar a vida e sementes milagrosas que podem alimentar o mundo sem a necessidade de fertilizantes.

Clique aqui para ler na íntegra a reportagem de Timothy Aeppel para o The Wall Street Journal


sexta-feira, 16 de maio de 2014

Pesquisa e inovação: banheiro químico para pessoas com deficiência ganha prêmio em feira internacional

Pipi Rodas, um banheiro químico adaptado para pessoas com deficiência, dotado de guincho de transporte do usuário de cadeira de rodas para o vaso sanitário e vice-versa, proporcionando acessibilidade a eventos culturais, entre outras atividades. Esse foi o projeto vencedor do Grand Prix Senai de Inovação, realizado durante a Business IT South America (BITS), no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre − feira que se encerrou nesta quinta (15/5/2014).

Como a vencedora, as equipes foram formadas por alunos e técnicos do Senai
e representantes de universidades e de empresas (foto Sistema Fiergs)

Em segundo lugar ficou o projeto Estacione Aqui, um aplicativo web que permite a verificação estacionamento livre em áreas controladas por parquímetros, direcionando o tráfego para locais com oferta de vagas, evitando a circulação desnecessária em locais onde não há disponibilidade. O terceiro colocado foi o Fidelidade ao Transporte Público, um estímulo ao uso dos coletivos, por meio de um programa de milhagem para os usuários mais assíduos, que pode ser convertido em cupons para acesso a atividades culturais.

O resultado veio depois de 48 horas ininterruptas de muito trabalho, troca de ideias e informações e reflexão na elaboração de projetos para solucionar problemas de mobilidade. Surgiram 134 propostas − 71 delas com protótipos. Os três primeiros colocados estão pré-qualificados para participar do Edital Sesi Senai de Inovação e estão mais próximos de chegar ao mercado.

Promovido pelo Senai e IEL do Rio Grande do Sul, o Grand Prix de Inovação consiste na geração de ideias inovadoras, a partir da união de equipes multidisciplinares, formadas por alunos e técnicos do Senai, representantes de universidades e de empresas, tudo para estimular a inovação dentro das indústrias.


quinta-feira, 15 de maio de 2014

Inovação: EMC abre no Rio seu 1º centro de pesquisas em óleo e gás

Laboratório instalado na Ilha do Fundão coloca o país no palco mundial de inovação em big data

A EMC inaugurou na quarta (14/5/2014) seu primeiro centro de pesquisas em big data focado no desenvolvimento de tecnologias voltadas para a indústria de óleo e gás. O prédio com 3 mil metros quadrados divididos em quatro andares está instalado no Parque Tecnológico da UFRJ, na Ilha do Fundão, e consumiu investimentos de US$ 100 milhões. Com equipamentos de ponta, o laboratório possui o maior data center para pesquisas em big data da América Latina.

- O conhecimento gerado aqui tem escalabilidade global e coloca o Brasil, mais especificamente o Rio de Janeiro, no palco mundial de inovação – afirmou o secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Alexandre Vieira.

Mesmo antes da inauguração do laboratório, a EMC já realizava pesquisas no Brasil, tanto que a equipe liderada pela cientista-chefe do centro, Karin Breitman, já registrou três patentes. A última, depositada no fim de abril, é considerada disruptiva para a indústria de petróleo. O projeto Maracanã é uma solução de hardware e software que realiza a compressão de dados sísmicos de forma mais rápida e eficiente que as técnicas atuais.

- Toda a tecnologia utilizada é 100% nacional. O Maracanã vai facilitar a prospecção de petróleo e outros minerais – explicou Karin.

Clique aqui para ler na íntegra a reportagem publicada no O Globo.


quarta-feira, 14 de maio de 2014

Tecnologia e inovação: Brasil mostra avanços, indica BID

Por Agência Brasil

O Brasil apresenta avanços significativos na área da inovação, quando comparado a outros países da América Latina e do Caribe, disse nesta terça (13/5/2014), no 26º Fórum Nacional, no Rio de Janeiro, a representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no país, Daniela Carrera-Marquis.

De acordo com ela, isso tem a ver com a capacitação dos trabalhadores, dentro das empresas, além dos incentivos em infraestrutura. O fórum é promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae).

O elevado índice de urbanização, estimado entre 75% e 80%, e o fato de haver cerca de 65% de concentração de valor agregado na indústria de serviços tornam a América Latina e o Caribe, e por extensão o Brasil, ambientes propícios ao desenvolvimento de centros de inovação.

De acordo com o BID, a inovação e a tecnologia estão relacionadas, em muitos aspectos, ao aumento e ao impacto positivo na produtividade. Dentre os fatores negativos para a expansão da inovação, Daniela citou o elevado nível de informalidade na região, além da falta de integração entre setores da sociedade.

“A inovação prospera em uma sociedade quando tem a capacidade de influenciar os setores público e privado, as universidades e os centros de pesquisa públicos e privados”, manifestou, destacando que a inovação deve ser usada para gerar aumento de produtividade econômica e, também, solucionar problemas sociais.

O BID apurou que o investimento, tanto público, como privado, ainda é reduzido na região. Existe ainda, de acordo com o banco, pouco vínculo entre as inovações científicas e a capacidade dessas inovações prestarem serviços à sociedade, usando os recursos das empresas privadas “para ter uma escala maior, que permita a utilização dos desenvolvimentos científicos para poder obter bons resultados nos desafios dos problemas sociais e econômicos da região”. Há também, apontou Daniela, muito espaço para melhorar o campo da educação superior.

No caso específico do Brasil, ela destacou que o elemento mais importante é o fator humano e não a falta de recursos. Daniela informou que em torno de 80% das empresas da região são de pequeno e médio porte. “Portanto, não têm acesso a capital técnico, financeiro e humano para sustentar seus processos de inovação”. Outro fator relevante para a inovação é o acesso à informação.


“O Brasil é um exemplo de bons resultados”. A participação do setor privado, em termos de recursos para inovação, porém, ainda é moderado, frisou Daniela Carrera-Marquis.


sábado, 10 de maio de 2014

Pesquisa e inovação: edital inscreve empresas interessas em desenvolver produtos, processos ou serviços

O edital custeia projetos de inovação tecnológica nas áreas de saúde, segurança, qualidade de vida, Educação e cultura, por meio de produtos, processos e serviços. Pode concorrer qualquer empresa de qualquer porte do setor industrial. Nesta edição do edital, há duas novidades: as inscrições podem ser feitas durante todo o ano e startups também poderão participar, com aporte de R$ 5 milhões do valor total.


Dois casos de sucesso de edições anteriores do Edital Senai Sesi de Inovação vêm de Goiás. Com apoio do Senai, a Musa desenvolveu uma barra de frutas diferenciada que impulsionou o faturamento da empresa. O mesmo ocorreu com a Pura, que criou uma garrafa d'água com a chamada tampa-copo, que está fazendo sucesso com o público infantil. Assista ao vídeo sobre os dois projetos:





As propostas de inovação inscritas terão R$ 30,5 milhões, sendo R$ 20 milhões para projetos na área do Senai, R$ 7,5 milhões do Sesi e R$ 3 milhões em bolsas de pesquisa em Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DTI) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Diferentemente dos outros anos, haverá ciclos contínuos de inscrição. Assim, as empresas terão chance de submeter propostas a qualquer tempo, até 15 de fevereiro de 2015, com possibilidade de seleção em avaliações trimestrais.

“Quem sai ganhando são as empresas. O prazo agora é maior. Assim, dentro desses períodos de avaliação, poderão surgir novas ideias e projetos que terão mais chance de aprovação”, explica Jefferson Gomes, gerente executivo de inovação e tecnologia do Senai Nacional.

Para a gerente de Projetos e Inovação do Sesi do Amazonas, Simonica Sidrim, o edital é um instrumento que assessora empresas a tirar do papel projetos que irão contribuir com a produtividade e a competitividade da indústria brasileira, melhorando as condições de trabalho e elevando a qualidade de vida dos trabalhadores.

As empresas precisam atuar em parceria com as unidades regionais do Senai e o Cetiqt, do Sesi, ou com o CNPq. Clique aqui para saber tudo sobre e fazer a inscrição do seu projeto.

O primeiro edital é de 2004, iniciativa do Senai. Naquele ano, os sete projetos aprovados receberam, juntos, R$ 375 mil. Em 2008, o programa ganhou a parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio do CNPq. No ano seguinte, o Sesi reforçou esse time. Até agora 2013, o Edital de Inovação já recebeu 3.066 propostas, sendo 524 aprovados.



segunda-feira, 14 de abril de 2014

Tecnologia e inovação: Microsoft decreta "morte" do Windows XP

A Microsoft acaba de decreta a morte do Windows XP. As novas atualizações automáticas, que ajudam a proteger os computadores, deixarão de existir para esse sistema operacional. De acordo com a Microsoft, sem elas, o computador continuará funcionando, “mas poderá ficar vulnerável a vírus e a riscos de segurança”.



Considerado um sistema operacional de fácil utilização, o Windows XP recebeu suporte da companhia durante 12 anos. No entanto, para a empresa de Bill Gates, criadora do programa que “deu vida” a vários computadores mundo afora, está na hora de investir recursos no suporte a tecnologias mais recentes, para continuar oferecendo novas experiências aos usuários.

A Microsoft também avisou que, após esta data, não oferecerá mais o Microsoft Security Essentials [http://ebcnare.de/1kj9uDr] para download no Windows XP, que é usado contra vírus, spyware e outros softwares mal-intencionados. Se o Microsoft Security Essentials já estiver instalado, o usuário continuará a receber atualizações de assinaturas contra pragas eletrônicas por tempo limitado, o que constitui risco para os usuários.

Na avaliação da empresa, outro problema para quem tem Windows XP no computador, é que os fabricantes de programas e de peças passarão a otimizar seus produtos para versões mais recentes de sistemas operacionais, trazendo problema para quem permanecer com o antigo.

De formato simples, o sistema operacional é um programa, ou um conjunto deles, que permite ao usuário fazer o computador funcionar, além de servir de interface entre a máquina e seu usuário, gerenciando recursos e dando acesso a eles.

Depois do Windows XP, a Microsoft liberou o Windows 7 e mais recentemente o Windows 8.1. Fazer a atualização do XP para o Windows 8 dói no bolso. É preciso ter pelo menos R$ 359, segundo informa o site da Microsoft. Muitas máquinas antigas, no entanto, não conseguirão rodar no novo sistema. Para saber para qual sistema migrar basta executar o assistente de atualização liberado pela empresa.

De acordo com a russa Kaspersky, uma das maiores e mais conhecidas empresas de solução de segurança, no Brasil, dados obtidos até o mês passado indicam que 10,88% dos usuários continuam com o Windows XP e, entre eles, 8,47% ainda têm instalado o Service Pack 2 (pacote de atualização) , ou seja, não têm seus sistemas atualizados.

Os usuários de máquinas antigas podem buscar outros sistemas operacionais, como o Linux, que é gratuito. Uma das versões mais amigáveis é o Ubuntu. 

Morador de Brasília e empresário da área de tecnologia, Marcelo Freire diz, no entanto, que, no Brasil, exceto as pessoas que usam computadores fabricados pela Apple, são poucos os que adotam sistemas operacionais, principalmente os domésticos, que não são da Microsoft.

“O Windows XP é um sistema operacional bem-sucedido, mas tem que dar lugar a soluções mais modernas. Então, a empresa decidiu interromper o suporte para o sistema, que, com o tempo, deixará de existir, assim como foi com o Windows 98, por exemplo. Hoje em dia, mesmo a Apple crescendo muito no Brasil, não se compara o número de usuários da Microsoft.”



sexta-feira, 21 de março de 2014

Energia renovável: Ceará vai formar profissionais para a área

O Centro do Senai da Barra do Ceará, em Fortaleza, está implantando o Instituto de Tecnologia de Energias Renováveis, cujo objetivo é formar profissionais para atuar na área.

Artur Guimarães, gerente do IT-ER, explica que a iniciativa tem suporte e recebe tecnologia da instituição alemão GIZ – Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit. O local, ainda em estruturação, terá laboratórios com aerogeradores em tamanho original; de compósitos, para utilização de materiais que produzem pás para torres eólicas, como fibra de vidro e resinas; e oficina.

Segundo Guimarães, existe demanda por 12 mil profissionais na área de ER. As previsões são que, a partir de agosto próximo, a unidade ofereça, pelo menos, dois módulos de formação profissional, e que esteja operando com a sua capacidade plena em 2015. O gerente conta ainda que, na fase de construção, uma usina eólica necessite de 2 mil a 4 mil profissionais. Quando em operação, esse número se reduz para cerca de 70 pessoas.

No Ceará, existem cerca de 20 empresas na área de energias renováveis e 23 parques eólicos em operação.

Fonte Sistema Fiec


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Ciência e tecnologia: votação da PEC 290 deve ser nesta terça-feira


A PEC 290, prevista na pauta de votações da Câmara para a última quarta-feira (19/2/2014), deve ser votada em dois turnos, na terça-feira (25). Base e oposição chegaram a um acordo e manterão o dispositivo que permite remanejamento de recursos de um mesmo projeto de ciência, tecnologia e inovação sem a anuência do Congresso Nacional – único ponto de discordância do texto.

O entendimento ocorreu no dia 19, em conversa entre o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), partido que mais questionava o parágrafo, e representantes da comunidade científica. Segundo Caiado, a legenda queria simplesmente ter a certeza de que, no texto, não tenham mecanismos que usem o dispositivo para temas além da ciência, tecnologia e inovação.

“Aquilo foi apenas uma atitude tomada pelo Democratas e sua a assessoria para que não quisessem construir esta prerrogativa em outros ministérios”, argumenta Caiado. “Mas, especificamente na área de pesquisa, concordamos que a classe tenha a condição de fazer esse remanejamento daquilo que seja custeio e daquilo que seja investimento de acordo com a necessidade da pesquisa”, completou.

Fonte Anprotec, com informações da Agência CT&I


Design e inovação: revista eletrônica abre prazo de submissão de trabalhos

Periódico científico multidisciplinar, a revista de design, inovação e gestão estratégica – REDIGE – está convidando a comunidade acadêmica para submeter trabalhos em sua próxima edição, de abril de 2014. O prazo para submissão é 10 de março de 2014, e os artigos enviados são avaliados por meio do método Blind Review.

Clique aqui para ler a edição de dezembro de 2013, e aqui para saber mais sobre a submissão de trabalhos

A REDIGE é uma publicação eletrônica bilíngue criada pelo Senai Cetiqt em 2010, com periodicidade quadrimestral. Suas páginas são dedicadas à publicação de artigos e ensaios da comunidade científica nacional e internacional que investiguem questões de interesse estratégico para o desenvolvimento da cadeia têxtil, de confecção e conhecimentos transversais às outras áreas.

O público-alvo do periódico é formado por pesquisadores, professores, empresários, profissionais e estudantes com interesse na cadeia de valor têxtil, de confecção, moda e suas interseções com outras atividades econômicas e industriais.


Inovação e tecnologia: Brasil começa a explorar energia limpa das ondas

Já existe nova forma de produzir energia elétrica proveniente de fontes limpas e a primeira grande experiência brasileira está em andamento: tirar energia das ondas do mar. Localizada no Porto de Pecém, no Ceará, a primeira usina para esse tipo de produção está em desenvolvimento.





 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visualizações